Descubra o Seu Perfeito Ser no Caminho para a Ascensão

 

Idéias Metafísicas para aplicação na Lição Bíblica da Ciência Cristã: “O Homem”

1-7 De Março, de 2010

Por Craig L. Ghislin, c. s. do Glen Ellyn, Illinois.

Tradução livre por Liliane Martins Serbinenko, Belo Horizonte, MG

 

Quantas vezes você já ouviu a frase, “Ninguém é perfeito”? Crescendo como um Cientista Cristão, eu ouvi muitas vezes precisamente o oposto: “Você é o filho perfeito de Deus”.  Honestamente, isso me causou um pouco de problemas.  Afinal de contas, uma vez que eu era perfeito, eu não podia fazer nada de errado. Certo?  Não por um longo período!  Eu fiz muita coisa errada, mas eu tive dificuldade para admitir e demorou um pouco para que isto acontecesse. Ao começar a fazer face aos meus fracassos, comecei a perceber que a personalidade humana com meu nome anexado a ele, não era o homem perfeito da criação de Deus, mas sim uma contrafação. O homem feito a imagem de Deus é reflexão, imagem e ideia, não físico e personalidade.

 

A Lição desta semana distingue o homem real da falsa imagem que vemos humanamente. Ao sabermos do homem real da criação de Deus, desaparece a personalidade humana falsa chamada “homem”. O culminar deste desaparecimento da visão falsa do homem e o aparecimento do homem real é chamado de ascensão. Esta Lição inclui três deles. Quando você vai direito a ele, é realmente o pináculo da compreensão espiritual e nosso destino verdadeiro na Ciência Cristã. Nossa meta é caminhar com Deus e despertar para o ser completamente espiritual.

 

O Texto Áureo na verdade começa com onde temos a intenção de terminar como homem na imagem e semelhança de Deus.  Esse é o homem em seu estado espiritual verdadeiro e perfeito.  Na Ciência Cristã somos ensinados que a Verdade destrói mentiras errôneas e que a Verdade nos torna livres. Estamos também conscientes de que se tivermos o erro na premissa de nossa argumentação, nós a teremos na conclusão também. Como não queremos o erro em nossas conclusões, nós o mantemos fora da premissa. Então, começando com o homem a imagem de Deus é uma boa premissa. Como uma prova na geometria é um “dado”. Mas, em seguida, precisamos de prová-lo.

 

Como fazemos isto? Nós praticamos sendo perfeitos e vivendo nisto a cada dia. Agora, antes de irmos longe demais, vamos certificarnos de que sabemos o que estamos falando quando usamos a palavra perfeito. Segundo a Concordânciada Bíblia a palavra perfeito em (B-1) tem a mesma palavra de raiz como a palavra traduzida como incorrupto na Leitura Alternada. Isso significa com integridade, sem nódoa, completa e total, sem marcas, ereta, completa. A Bíblia Amplificada diz, “Felizes… são os incorruptos (os retos, verdadeiramente sinceros e isentos de culpa) de forma que [da vontade de Deus revelada], quem anda (solicita sua conduta e conversação) na lei do Senhor.” Paulo também estava convencido da pureza inata do homem como filho de Deus, mas também reconheceu o processo necessário para prová-lo. Nós somos ditos desde o início “para sermos conforme a imagem do Seu filho.” O Comentário da Bíblia de Abingdon descreve a finalidade divina em Romanos 8: 28 como trazendo o homem “em conformidade com a imagem ou o caráter de Cristo e como causando-os a participar na glória, o splendor moral, de Deus.”  Isto soa como uma descrição de ascensão.

 

Nada disso é para dizer que não enfrentaremos desafios. No entanto, nenhum dos desafios, não importa quão difíceis, são capazes de separar-do amor de Deus.

 

Seção 1: O Primeiro Desafio É Saber em que Direção Você Está

“Marque o homem perfeito….” (B-1). Como mencionado acima, esta frase e outras como esta podem, às vezes, nos causar alguns problemas. Ou nós expulsamos a perfeição como um padrão impossível ou sentimos enorme pressão para mantê-la humanamente. Mas nós não temos de sentir de nenhuma das formas.  The New English Bible simplesmente usa o termo “o homem bom”.  Nós não poderemos viver como “perfeitos”, mas nós podemos certamente nos esforçamos para sermos bons. Em Mateus 5: 48 (B-4) Jesus nos manda sermos perfeitos. Mas, neste caso, a palavra grega original significa completo – como resultado de trabalho e crescimento em caráter mental e moral (Strong’s); ou, tendo atingido seu fim, acabado, sem manchas ou deformindades, completamente crescidos, realizado (Greek-English Lexicon Liddell & Scott). Estas definições indicam um processo de crescimento. Paulo encoraja-nos a participar desse crescimento caminhando no Espírito (B-2). Ao vestirmos o “novo homem” nós estaremos modelando nossas vidas de acordo com o homem verdadeiro e correto criado por Deus.

 

Em Ciência e Saúde o homem é descrito e definido do ponto de vista da perfeição espiritual (S-1). Note bem que nossa Líder não diz ser o homem material e perfeito, mas que o homem é espiritual e perfeito.  O homem chamado de material não é perfeito. Cada porção desta citação na página 475 descreve o status espiritual real do homem à semelhança do seu Criador. Tenha em mente que, na realidade, não existe nenhum outro homem.  O homem que Deus fez é o único que há ou alguma vez houve. A aparência de um homem mortal é um produto da crença de que o homem pode ser separado de Deus.  Nossa líder nos encoraja a livrar-nos desta crença (S-2). Como podemos entender claramente a exposição espiritualmente científica do homem, o novo homem aparecerá (S-3). Esta é uma abordagem radicalmente diferente de pontos de vista da maioria das religiões. Em geral, homem é considerado como um pecador decaído. Se isso fosse verdade, nós seríamos fortemente pressionados a provar o contrário. Mas reconhecendo que a visão degenerada do homem é crença em vez de fato, nós podemos começar a demonstrar “o homem superior” proporcionalmente à nossa compreensão espiritual. Se começarmos a partir da premissa de que o homem é semelhante a Deus, estamos livres para prová-lo (S-4).  A fim de progredir, precisamos saber o nosso destino. Começando com nosso modelo como homem na semelhança de Deus dá-nos a confiança e o poder de prová-lo em nossa camimhada diária (S-5).

 

Seção 2: O Próximo Desafio é Caminhar na Direção Certa

Além das definições acima, The amplified Bible define perfeito como utilizado na citação B-4 como “crescendo em maturidade completa de bondade na mente e no carácter, tendo atingido a altura adequada da virtude e da integridade”. Novamente aqui vemos que Jesus não está pedindo o impossível. Ele está pedindo-nos para trabalhar nesse sentido e provar aquilo que aprendemos. Como a tradução do Novo Testamento de Olaf M. Norlie coloca, “Você tem que tornar-se espiritualmente maduro.” Para o sentido humano este parece ser o resultado de um processo.  Paulo define esse processo nas citações B-5 até B-7. Paulo chama atenção para os termos da Interpreter’s “uma orientação radicalmente nova” respeitando as nossas motivações e objetivos. Nosso conceito do novo homem encontra-se no nosso reconhecimento de que o homem é feito a imagem de Deus. O Cristo é o conceito mais alto do homem a imagem de Deus. Ao nos concentrarmos no Cristo, nós refletimos a sua imagem em nosso carácter. Todos os nossos esforços parecem ser impedido por uma atração material na direção oposta a que queremos ir. Parece ser um cabo-de-guerra entre o Espírito e a carne. Mas passo a passo nossa natureza é transformada.

 

A Sra. Eddy assinala que nós caminhamos na direção em que estamos olhando (S-6). Os campistas do CedarS sabem que quando montando um cavalo, ele vai caminhar na direção que está olhando. A mesma regra aplica-se em nossas vidas. Mas apenas olhando para onde você quer ir não o leva até lá. Você precisa mover seus pés também. Só assim, nosso progresso espiritual é realizado em passos – às vezes grandes, outras vezes pequenos (S-7). É bom lembrar que esta progressão de imperfeição para a perfeição só está acontecendo na crença humana. Quando desistimos das falsas crenças, a realidade aparece (S-8, S-9). Na citação S-10, encontramos a “Tradução Científica da Mente Mortal.” Nela estão três graus: Depravação, crenças Más desaparecendo e Entendimento. Algumas vezes as pessoas tentam descobrir em que “grau” estão. Mas, dependendo da área de vida que estamos considerando, podemos estar em graus diferentes ao mesmo tempo. Isto é o que reivindica a cena humana: que vivamos em uma mistura de bem e mal. Apesar de nós podermos ser honestos, dóceis e fiéis, nós também poderíamos ser desafiados com ódio, auto-justificação ou doença. Ao trabalharmos diariamente para espiritualizar o nosso pensamento, perceberemos que estamos gradualmente substituindo os aspectos de primeiro grau da mente mortal com os aspectos de segundo e terceiro graus. É um processo ao longo da vida de praticar o que pregamos. Somente quando todas as qualidades irreais e transitórias derem lugar ao real, nós demonstramos a perfeição. Quando chegar este momento o material desaparece completamente e o resultado é a ascensão.

 

Seção 3: Caminhando com Deus

Ultimamente eu tenho pensado sobre reputação. Várias figuras do esporte e políticos, pessoas que são geralmente consideradas como modelos positivos, fizeram alguns erros realmente grandes de julgamento. Suas reputações tornaram-se manchadas e sua credibilidade sofreu com isto. Nós pensamos que “conhecemos” as celebridades, mas realmente as conhecemos? O que as pessoas pensam que sabem nada mais é do que uma pessoa pública. As únicas pessoas que realmente as conhecem são aqueles que vivem com elas e em certa medida, aqueles que têm interação pessoal com elas. Aqueles quem as veem na sua caminhada diária, tem uma idéia melhor de quem são essas pessoas. Mas mesmo as pessoas que veem você todos os dias não estão com você o tempo todo. Como você pensa e age quando ninguém está por perto é um indicador mais honesto de quem você realmente é. Muitos de nós sentimos que só Deus é realmente capaz de nos conhecer. Quando todas as outras testemunhas falham, ouvimos frequentemente a declaração, “Deus é minha testemunha.”

 

O Salmista sentiu desta forma (B-8). Ele sabia que sua confiança em Deus formou seu caráter e ele sabia que ele viveu honestamente uma vida de integridade.  Enoque (B-9) tinha uma reputação exemplar. Você poderia dizer que ele se destacou no segundo e terceiro graus das qualidades. Dele é a primeira das três ascensões mencionadas na Bíblia e nesta Lição. Abingdon diz que Enoque “fez de si próprio o companheiro familiar de Deus.” Dummelow escreve sobre Enoque, “Em todas as suas ações ele reconheceu o direito que era devido a Deus; de nenhum dos seus pensamentos esteve Deus ausente; ele viveu em comunhão com Ele”. Sua aderência a Deus lhe garantiu a passagem para o céu (realidade), e ele não morreu para lá chegar. Se nós não sabemos como agir ou se estamos muito preocupados com o que as outras pessoas possam estar pensando, nós podemos lembrar que não temos que fazer a coisa certa de modo que possamos impressionar aos homens. Nós fazemos a coisa certa porque isto é o que Deus requer (B-11).  Não rituais exteriores, mas justiça interna expressa em serviço abnegado é a forma de começar nossa caminhada com Deus.

 

A Descobridora da Ciência Cristã ensinou que precisamos mostrar nossa compreensão de nosso relacionamento contínuo com Deus cada dia (S-11). O homem que Deus fez não tem de morrer para chegar ao céu (S-12).  Nosso livro-texto diz-nos, não importa o quanto pensamos termos necessidade do sentido material nós “temos de mudar o conceito humano da vida” (S-13). Ao fazermos isso nós perdemos toda a fé em todas as formas e meios materiais e começarmos a confiar totalmente em Deus (S-15).  [“apoiando no infinito sustentável” S & H vii:1] Então nós despertamos para nosso ser real como a imagem e semelhança de Deus.

 

Seção 4: Sem Hesitação se Você Quer Chegar Lá

Enquanto Enoque parece ser o modelo ideal de como conduzir nossas vidas e progressivamente encontrar nossa maneira de sair da carne, a estória de Elias tem alguns detalhes a mais. Ao olharmos sobre o registro de sua vida, vemos que ele teve vários desafios a enfrentar. Ele manteve-se sozinho contra os profetas de Baal (ver I Reis 18), e ele foi marcado para captura e execução.  Num dado momento, ele até mesmo pensou em suicídio.  Mas ele aprendeu a confiar na “pequenina voz” e a manter-se firme com Deus. Como Enoque, Elias não morreu, mas ascendeu ao céu, tomado por um redemoinho (B-13). Seu zelo e sua sustentação no Deus Único valeram-lhe supremacia como profeta. Sem dúvida, também desempenhou um papel na sua ascensão. Ele desafiou os profetas de Baal, “Até quando coxeareis entre dois pensamentos?” (B-14). Em outras palavras, por quanto tempo você “prosseguirá um curso vacilante e irregular, servindo a Deus e a Baal alternadamente?”(Dummelow).

 

Você se encontra vacilando entre o bem e o mal – entre a matéria e o Espírito? A Sra. Eddy alerta que nossas decisões irão dominar-nos, “em qualquer direção que tomarem” (S-16). Isto exige que pensemos mais uma vez, que temos de olhar onde nós andaríamos. Ao sentido humano parece que o sentido material das coisas e o sentido espiritual podem misturar-se e coincidir – quando um se retira o outro aparece. Mas, na verdade eles nunca se misturam. Nós realmente não podemos hesitar entre dois pareceres. O real e o irreal nunca se unem (S-17). A única realidade é a divina.  O “caminho reto e estreito consiste em ver e reconhecer este fato…” (S-18). Nós medimos nosso avanço em direção a realidade espiritual ao vivermos a Verdade consistentemente e diligentemente. Assistindo a competição de snowboard nos Jogos Olímpicos, às vezes parece que elas estão se movendo lateralmente, em vez de verticalmente. Mas todo o tempo todo eles estão se esforçando ao máximo para alcançar a linha de chegada mais rápido do que qualquer outra pessoa. Por todos os seus esforços eles não podem realmente se forçarem a ir montanha abaixo ou forçar com seus próprios músculos seu caminho através da gravidade. O que eles podem fazer é usar sua habilidade, força e equilíbrio para encontrar o caminho de menor resistência e usar a gravidade em sua maior vantagem ao percorrerem cada obstáculo tão eficazmente quanto possível. Nós também não podemos usar nossos músculos para irmos a caminho do céu, mas podemos usar nossas habilidades espirituais para permitir o puxão do Espírito para manter-nos indo na direção certa até terminarmos nossa corrida com alegria (S-19). Para nós a linha de chegada é a ascensão.

 

Seção 5: Uma Prévia das Coisas que Estão por Vir

Para aqueles que parecem estar gastando mais tempo no “primeiro grau” realmente pode parecer que se está sentado na escuridão. Não há chance de reconhecer o homem perfeito da criação de Deus nesta condição fria. Mas lembremos que é o primeiro grau da mente mortal, i.e. o primeiro grau de uma mentira. Não o primeiro grau do ser real. Mas, se acreditarmos na mentira, realmente é um lugar escuro. Felizmente os ensinamentos de Jesus trouxeram a luz do Cristo para penetrar a escuridão da crença material (B-15). Abingdon dá uma bela descrição da missão de Jesus: “O ministério de Jesus foi um verdadeiro novo dia do alto para aqueles que almejam era para trazer beleza e amorosidade às cinzas, vidas prostituídas dos homens, para fazer acontecer os poderes latentes da alma, para inspirar nos corações dos homens o salmo do louvor e para despertar os homens com o desejo de ministrar a outros.” O evento conhecido como a Transfiguração (B-16) rompeu com todos os tipos de convenções aceitas. A descrição diz que Jesus brilhou como uma forte luz. Isto é importante porque quando Moisés voltou de sua audiência com Deus, sua faze também brilhou, mas a luz era “emprestada” não vinha de dentro. E, por falar em Moisés, ali estava ele falando com Jesus. Elias também estava lá. Aqui temos um que [presumia-se ter] estava morto há tempos [apesar de seu corpo nunca ter sido encontrado] e um que já havia ascendido conversando cara a cara com Jesus. Os discípulos eram testemunhas disso. Figurativamente, Moisés permaneceu na Lei, Elias com os Profetas, e Jesus com o Evangelho e o homem perfeito. Como isto poderia ter acontecido literalmente? Os discípulos apalparam ao redor num esforço para dar sentido a tudo, e então eles ouviram uma voz declarando, “Este é meu filho amado…” Será que eles estavam tendo um vislumbre do homem real? João que tinha sido uma das três testemunhas, mais tarde escreveu, “agora somos filhos de Deus” (B-17).  Mesmo que não possamos ver ainda, nós somos mais do que parecemos ser. Paulo diz que é como olhar em um espelho destorcido (B-18). Nós nunca realmente parecemos um reflexo destorcido, nem podemos contar com uma distorção para nos dar a verdadeira imagem. Acreditando que o homem é material é uma visão destorcida de nosso ser. Nós nunca estamos realmente numa condição material. Nós somos sempre espirituais. Mas nós precisamos mudar nossa maneira de olhar para as coisas.

 

Nossa Líder nos informa que todos esses aspectos negativos no primeiro grau da mente mortal são ilusão (S-22). Os discípulos foram orientados a “escutarem” ou ouvirem e seguirem o que Jesus ensinou. Ele nos mostrou a maneira de varrer as “visões escuras do sentido material.” Jesus não só compreendeu a si próprio para ser a imagem e semelhança de Deus, ele sabia que nós também éramos. Jesus nunca foi enganado para olhar para o espelho destorcido do sentido material. Ele viu o homem real, perfeito em todos os lugares que ele olhava. E essa visão correta curava (S-23). Ele sabia que a visão material distorcida era nada mais do que a verdadeira visão do homem distorcida em um espelho sujo. Hoje, temos o grande presente da Ciência divina para fazer brilhar a luz em nossas falsas visões e varrê-las para fora (S-25). Cada idéia que temos de nosso ser real traz cura e também nos traz a um passo mais perto para despertar plenamente para o nosso verdadeiro ser como filhos espirituais de Deus – isto é, um passo mais perto da  ascensão.

 

Seção 6: Última Parada – Ascensão

As contas de Enoque e Elias nos informam que é possível despertar da existência material e demonstrar totalmente que o homem é verdadeiramente espiritual. Jesus deu um passo a mais de tudo isso por ser o primeiro a vencer a sepultura (B-19). Isso indica que o despertar para a verdadeira identidade do homem como a imagem espiritual e semelhança de seu Criador não pode ser atingido pela morte. Após sua ressurreição, ele tinha o mesmo corpo que ele tinha antes. A ascensão – sua partida final para fora da carne – foi o zênite no seu caminho para a perfeição. É também o nosso.

 

A ressurreição e ascensão de Jesus provou de uma vez por todas, que a visão material é irreal e que ela “desaparece na presença da realidade” (S-26). Tradicionalmente, as pessoas acreditaram que, a fim de chegar ao céu, você tem de morrer. Mas isso não é verdade. Há apenas um caminho para o céu. “É conhecer nenhuma outra realidade – não ter nenhuma outra consciência da vida – que o bem, Deus e o Seu reflexo, e erguer-se acima dos chamados dores e prazeres dos sentidos” (S-27). Quando Elias ascendeu, seu protegido Elisha, recebeu uma “porção dupla” do seu espírito. A Sra. Eddy escreve que quando Jesus ascendeu seus alunos receberam o Espírito Santo (S-28). Isso compreensivelmente lhes deu uma perspectiva totalmente diferente sobre a verdadeira natureza do homem.  Ela escreve, “Eles já não medam o homem pelo sentido material.”  (S-28) Alguns podem duvidar se qualquer um dos relatos de ascensão na Bíblia são factuais. Mas se eles não fossem, poderiam os discípulos terem sustentado sua inspiração para prosseguir com a missão de Jesus? Poderia a mensagem do Cristo sobreviver nas futuras gerações? A ressurreição e a ascensão foram a base da mensagem de Paulo. Os discípulos testemunharam a ascensão e isso beneficiou sua confiança em superar todos os obstáculos da carne. A ascensão de Jesus revelou que o homem perfeito, falado em Genesis, é espiritual. Segundo a Sra. Eddy, a perfeição espiritual do homem é “irrefutável” (S-29). Isso significa que ela não pode ser contestada.

 

Então, de volta ao início: a.) “Ninguém é perfeito” ou b.) “Tu és o filho perfeito de Deus”. Não, a matéria não é perfeita e nem mesmo existe como uma condição do ser. Sim, o homem feito a imagem e semelhança de Deus é sempre perfeito e nunca foi nada menos do que isso. O primeiro grau e o terceiro grau na tradução científica da mente mortal não tem nenhum ponto em comum. Eles são opostos e completamente separados. Um é físico; o outro é espiritual. Mas o Cristo ilumina nosso caminho para fora da escuridão e nos guia através da transição. A verdadeira espiritualidade “aprofunda a experiência humana” até que o sentido material desaparece (S-30). Nós provamos a nossa espiritualidade e perfeição na manifestação diária. Então nós finalmente despertamos para perceber que a perfeição espiritual é tudo que existe, e nós ascendemos ao nosso status como homem perfeito de Deus.

 

 

Anúncios

Sobre Primeira Igreja de Cristo, Cientista Porto Alegre-RS

A Primeira Igreja de Cristo, Cientista Porto Alegre-RS, Brasil, foi fundada em 1957. Tendo sido iniciada décadas antes como um Grupo Informal e mais tarde, uma Sociedade de Ciência Cristã. Ela foi fundada por famílias de alemães, dentre as quais: Schmidt, Holderbaum, Trentini, Bopp, Mutzberg, Young, Klein, Hamman, Knor, Bier, Beier, Wendt, Völker, Fhurmeister, Heckrath, etc... Conheça mais sobre a historicidade no Arquivo Histórico Digital da Ciência Cristã no Brasil: http://sites.google.com/site/arquivocienciacrista/
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Uma resposta a Descubra o Seu Perfeito Ser no Caminho para a Ascensão

  1. jonan gregorio da silva diz:

    Estimada Praticista dessa queida Igreja, cada dia vejo que Deus e perfeito , continue orando por mim, abracos.JONAN GREGORIO DA SILVA

    Date: Wed, 22 May 2013 12:04:29 +0000 To: jonangregorio@hotmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s