A SERPENTE NA CERCA DO JARDIM

Evelyn Grover Heiss, Arauto de 1984

 

Ao olhar pela janela, vi uma pequena cobra dependurada, imóvel, na travessa superior da cerca do jardim. À noite, duas das crianças de minha família e eu olhamos novamente pela janela. Lá estava a serpente. Curioso, ela não havia se movido. “Vamos dar uma olhada”, sugeriram as crianças.

 

Quando lá chegamos, houve exclamações de incredulidade. Nossa “serpente” não era nada mais do que uma sinuosa rachadura, de aspecto muito real, na travessa superior da cerca. Não era cobra nenhuma! Até mesmo a bem delineada cabeça nada mais era que um retorcido nó de pinho na própria madeira. “Você foi enganada”, disse jocosamente o menino. A menina, porém, estava intrigada. “Como poderia parecer tão real lá da janela?” era o que queria saber. “De perto nem se parece com uma cobra.”

 

Aquela pareceu-me a ocasião perfeita para falar com esses dois pequenos Cientistas Cristãos a respeito da natureza ilusória da matéria e para relacioná-la com nossa capacidade de inverter e destruir as ilusões e pretensões do erro, enfrentando-os com a Verdade e o Amor. Como Deus, o Bem, está sempre presente, assegurei-lhes, o mal nunca está presente. Compreender esse fato prova que o bem é real, enquanto que tudo que for dessemelhante do bem nada mais é do que ilusão, à semelhança de nossa “cobra” na cerca do jardim. Nem de longe suspeitava eu que, dentro de poucas horas, o incidente auxiliaria em salvar a minha vida.

 

Na manhã seguinte, após as crianças haverem ido brincar com amigos, saí de casa outra vez, cruzando o jardim para ligar a mangueira sobre o canteiro de flores. Repentinamente senti uma picada dolorida no momento em que as presas de uma cascavel afundavam em meu tornozelo.

 

No mesmo instante, ao sobrevir a sugestão de fatalidade, gritei: “NÃO!” e pulei para trás. Imediatamente ocorreu-me a afirmação: “Deus É!”, acompanhada da asseveração mental de Sua totalidade e de minha unidade com Deus como Seu reflexo. Mais verdades ocorreram-me quase que simultaneamente: “Deus é minha Vida. Não morrerei. Não consentirei na morte.”

 

Quando parecia que eu ia desmaiar, recostei-me na cerca do jardim. Em meio a fortes dores, vi novamente a rachadura que se parecia com uma serpente na cerca à minha frente. A lição que me ensinara aquela ilusão desfez imediatamente a sensação de que eu estava perdendo a consciência.

 

À medida que a Verdade ocorria com mais clareza ao meu pensamento, eu dirigia-me ao erro em voz alta: “Deus nunca fez o veneno. Você nada pode fazer, porque você nada é. Você não tem maior poder para destruir-me do que esta rachadura o tem. Deus, a Vida, está exatamente onde você afirma estar. Eu existo na Vida. A Vida ocupa todo o espaço e eu sou a expressão da Vida.”

 

Tendo voltado para casa, deitei-me no sofá da sala declarando a totalidade de Deus e a inseparável unidade do homem com a Vida imortal.

 

Apesar de constantes afirmações da Verdade, tornou-se cada vez mais difícil   pensar e falar. Enquanto debatía-me contra um forte desejo de dormir, minha pequena parenta, de nove anos de idade, entrou, dizendo que sentira repentino desejo de voltar para casa para ficar comigo. Queria que eu fosse andar de bicicleta com ela. Senti que aí estava a mensagem angelical para eu não ficar só deitada; para despertar, ainda que o sentido humano dissesse que andar de bicicleta seria rematada loucura!

 

Conquanto incapaz de levantar o pé para subir na bicicleta, consegui, com o auxílio das mãos, erguer um dos pés até o pedal, e depois levar ao pedal a outra perna e lentamente começar a seguir a minha companheira. Fracamente, palavras e pedaços de frases da definição de “serpente”, que consta em Ciência e Saúde de autoria de Mary Baker Eddy, começaram a rodopiar em meu pensamento. A citação diz em parte: “… magnetismo animal; a primeira pretensão de que o pecado, a doença e a morte sejam as realidades da vida. A primeira pretensão audível de que Deus não era onipotente e que havia outro poder, chamado o mal, que era tão real e eterno quanto Deus, o Bem.”

 

Quando chegamos a uma área com muitas árvores, caí, incapaz de seguir adiante. A criança, ao ver-me caída, voltou, gritando: “O que aconteceu? Porque você está com essa cara?”

 

Eu passara a minha infância na região sudoeste dos Estados Unidos da América, onde as cascavéis são numerosas. Algumas das primeiras e bem lembradas advertências na escola eram as de exercer-se vigilância e cautela. De repente recordei vividamente uma descrição, havia muito esquecida, da aparência de um vizinho pouco antes de morrer por causa de uma picada de cascavel. Num impulso de revolta contra aquele quadro latente que fora evocado pela exclamação da criança, fiz mais uma vez um grande esforço e consegui por-me de pé, rebelando-me mental e fisicamente contra ameaça tão insensata.

 

Eu não mais conseguia enxergar. Naquele instante, tão claramente como se tivesse sido pronunciada, uma bem conhecida frase de Ciência e Saúde ocorreu-me ao pensamento: “Uma idéia espiritual não contém um só elemento do erro, e essa verdade remove convenientemente tudo quanto é nocivo.” Naquele momento, tais palavras foram iluminadas em seu sentido absoluto e radiantemente científico (de Ciência Cristã). Repentinamente, eu não tinha mais consciência do meu corpo.

 

Envolta numa imensa e inefável quietude, vi que a Verdade “remove convenientemente” a crença (e é exatamente isto que o erro é) de que possa haver qualquer coisa no reino do Amor todo-inclusivo para prejudicar ou ser prejudicado, para envenenar ou ser envenenado, para temer ou ser temido, para matar ou ser morto, pois tudo é Amor infinito e a manifestação do Amor infinito! Senti a total presença de Deus, como nunca dantes. O mundo ficou iluminado com o Amor divino. O próprio universo não poderia conter tal perfeito Amor!

 

Repentinamente minha visão clareou. Lá se achava, ao meu lado, a menininha, olhando para mim. A terra parecia iluminada. Eu sentia o frio gelado abandonar meu corpo, que adquiria seu tamanho normal. Em reverente deslumbramento, subi na bicicleta e voltei, totalmente livre, regozijando-me em que a Vida (Deus) é a única presença, a Verdade (Cristo) o único poder, o Amor, o único libertador.

 

Meu coração não encontra palavras para expressar adequada gratidão por essa cura. O propósito deste artigo, porém, não é apenas o de testificar que houve a cura de uma picada de cobra. Esta experiência ilustra o fato básico de que, quando a vida humana corre risco, somente o despertar espiritual traz a cura.

 

Não ficou isso provado naqueles momentos desesperadores pelos quais passei? Naquele momento radioso, quando o de há muito conhecido trecho de Ciência e Saúde veio ao meu pensamento e foi experimentado o seu poder crístico, absoluto e primordial – ao invés de em sua anterior forma tranquilizadora – ocorreu um “novo nascimento” de iluminação espiritual. A partir daquele instante, corpo, cascavel, tempo, circunstâncias, luta e morte desapareceram do pensamento. A Mente (Deus) infinita e a idéia infinita da Mente foram literalmente percebidas como Tudo-em-tudo. Sem processo ou tempo para formular um pensamento cosnciente, o Cristo revelou com luminosa clareza que, por ser Deus a causa única, o efeito tem de ser semalhante a Deus. Deixei de sentir o “eu” separado de Deus. Compreendi que eu era a expressão de Deus, a própria evidência de Deus. E essa percepção proporcionou a cura.

 

A singularidade e glória da Ciência divina reside em substituir nosso sentido humano do ser pela realidade espiritual, pela idéia pura de Deus. Quando nos rendemos a Deus, reconhecendo-O como o Tudo e o Único, o Princípio sanador emite luz. Isto é revelação. É a revelação à consciência daquilo que existe.

 

Essa experiência com a cascavel ilustra também o engano mesmérico do sonho que temos quando acordados, o qual se constitui em crenças agregadas ou sonhos de vida na matéria ou como matéria.

 

Ilusões mentais óbvias, tais como sonhos noturnos, ou ilusões óticas, tais como a “cobra” na cerca do jardim, são facilmente rejeitadas. As crenças adquiridas mediante a educação, porém, fazem com que os aspectos universais do sonho que temos enquanto acordados pareçam ter genuína realidade devido à nossa aceitação inquestionável da vida material constituída de nascimento, substância, inteligência, dor, doença e morte. Essa crença enganada e enganadora, que apregoa sua veracidade como experiência na matéria, é muito mais do que ilusão ótica ou imaginação. É, como diz Mary Baker Eddy a respeito da doença, firme convicção. A convicção a seu respeito é, porém, falsidade total! A realidade (tudo que é eterno) é divina. Quando despertarmos para esse fato, erradicaremos gradativamente a crença, derivada da educação, que impôs a experiência material como firme convicção à consciência humana.

 

Mary Baker Eddy, que descobriu e fundou a Christian Science, desnuda a mentira sobre a realidade do mal com esta irrefutável declaração sobre o pensamento mortal: “Aquilo que nunca existiu, pode parecer sólida substância a este pensamento.” Afirma também: “Aquilo que o sentido material chama intangível, vem a ser a substância. O que ao sentido material parece substância, se reduz a nada, à medida que os sonhos dos sentidos se desvanece e a realidade aparece.”

 

Não seria esta a pergunta que nos deveríamos fazer: “O que estou aceitando como real?”

 

Todos sabemos que o sonho dos sentidos, que a si mesmo denomina-se matéria-substância e experiência na matéria, não pode ser erradicado porque o ignoramos, pela “mente sobre a matéria”; pela troca voluntariosa de um conceito sofredor de corpo por um sentido harmonioso de corpo, mediante o “pensamento positivo”; pela determinação de cultivar alegremente “bons pensamentos”, nem pela repetição “automática” de tudo o que pudermos citar de trechos da Bíblia e das obras de Mary Baker Eddy. Embora algumas pessoas pensem que experimentam benefícios por meio desses métodos, a mudança genuína e permanente precisa ser o resultado da cura científica alcançada através das leis infalíveis da Ciência divina.

 

Talvez ouçamos alguma expressão perturbada, tal como esta: “Não reajo ao tratamento da forma como costumava reagir logo que conheci a Ciência Cristã.” Ou: “Parece que a Ciência Cristã não está mais curando como costumava curar.” Até mesmo as ciências físicas exigem um certo grau de provas. Quanto mais a Ciência do ser! Quem ousaria pensar em fazer a seguinte afirmação: “Parece que na numeração de base dez, dois mais dois já não somam quatro da forma como costumavam somar!”

 

Para que seja removida a dúvida, faz-se necessária uma mudança de base mental. No tratamento, precisamos elevar-nos acima do sentido humano de bem e reconhecer que qualquer coisa aquém da perfeição divina, infinitamente expressa, é um sonho mortal. O temor e o desânimo são destruídos mediante o despertar espiritual – mediante a auto-rendição irrestrita à realidade de que Deus é Tudo e da indestrutível união entre o homem e Deus. Esse despertar divino está à disposição de todo aquele que aceita com convicção científica que “tudo é Mente infinita e sua manifestação infinita”, porque Deus é Tudo-em-tudo”, como lemos em Ciência e Saúde. Então, e somente então, é que sentiremos ser Deus, a única Mente, a nossa Mente; sentiremos ser Deus, a Vida, a nossa Vida. É então que compreenderemos o que o nosso Mestre, Cristo Jesus, quiz dizer com sua afirmação supremamente científica: “Eu e o Pai somos um”.

 

Moisés sentiu também essa unidade e a ela cedeu quando vislumbrou a onipotência de Deus por meio de Sua majestosa auto-revelação: “EU SOU O QUE SOU”. Embora no início tenha fugido de terror diante de sua vara que se transformara em cobra, foi capaz, em vista de sua consciência espiritualmente transformada, de obedecer destemidamente à ordem de Deus de pegar a cobra pela cauda, em consequência do que, a cobra transformou-se outra vez em vara na mão de Moisés.

 

Foi essa consciência cientificamente inspirada que habilitou Paulo a sacudir no fogo a víbora que se lhe havia prendido na mão, e a não ser afetado, para surpresa dos ilhéus que o haviam recebido após o naufrágio.

 

É essa mesma consciência crística o que nos habilita HOJE a anular a picada de “serpente” que, como citado anteriormente, é “… magnetismo animal; … a primeira pretensão de que o pecado, a doença e a morte sejam as realidades da vida.”

 

Quando a crença humana cede, o poder, a majestade e a absoluta ternura do Amor divino tomam o lugar. Exatamente onde nos encontramos em nosso pensamento é onde o infinito se revela. Nunca proveniente de fora, a revelação origina-se sempre na consciência. Em realidade, Deus revela-Se exatamente aí onde Cristo Jesus prometeu que encontraríamos o reino dos céus: dentro de nós. À proporção que se renova nossa compreensão do real, o sonho que temos enquanto acordados começa a desfazer-se. Finalmente, aquilo que foi a nossa terra, transforma-se para ser o que na realidade divina sempre foi – o nosso céu. Essa é a Ciência do Ser compreendida, vivida e demonstrada.

Anúncios

Sobre Primeira Igreja de Cristo, Cientista Porto Alegre-RS

A Primeira Igreja de Cristo, Cientista Porto Alegre-RS, Brasil, foi fundada em 1957. Tendo sido iniciada décadas antes como um Grupo Informal e mais tarde, uma Sociedade de Ciência Cristã. Ela foi fundada por famílias de alemães, dentre as quais: Schmidt, Holderbaum, Trentini, Bopp, Mutzberg, Young, Klein, Hamman, Knor, Bier, Beier, Wendt, Völker, Fhurmeister, Heckrath, etc... Conheça mais sobre a historicidade no Arquivo Histórico Digital da Ciência Cristã no Brasil: http://sites.google.com/site/arquivocienciacrista/
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s